Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Read Full Post »

Pode levar para casa

Muito dócil e não incomoda, conheça a Chinchila:

 

 

“Ela é muito dócil, não incomoda com ruídos nem com odores e pode ser criada até por crianças, orientadas por um adulto”, é assim que a veterinária Cynthia Carpigiani, das Faculdades Metropolitanas Unidas, em São Paulo, caracteriza a chinchila. Malcuidada, ela até poderia transmitir a salmonelose, infecção bacteriana que dá origem a diarréias, e micoses, provocadas por fungos. Mas o risco desaparece com aquelas medidas básicas de higiene que todo animal merece.
“Como qualquer outro bicho de estimação, a chinchila precisa visitar o veterinário de tempos em tempos”, diz o especialista Roberto Fecchio, do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo. Outra recomendação que não é nada diferente: lavar as mãos depois de brincar com o bicho ou de limpar o seu canto, no caso a gaiola.
A chinchila, ela própria, é bem resistente. Quando adoece, os problemas mais comuns são de pele, além de diarréias, conjuntivite e pneumonia. Uma coisa é certa: ela precisa de espaço para se exercitar. “É importante que a gaiola seja alta e equipada com prateleiras para que faça suas escaladas”, recomenda Fecchio. Outros itens essenciais são uma roda e uma casinha, além de comedouro e bebedouro. O piso deve ser recoberto com feno e, sim, é bom que a limpeza seja diária. Mais: a temperatura ambiente não pode ultrapassar 30 graus Celsius.
Para o banho, por favor, nada de água. Use um recipiente com carbonato de cálcio, uma substância semelhante à areia, que pode ficar na gaiola durante uns dez minutos. E, aí, você verá a chinchila literalmente deitar e rolar nessa banheira seca. Ao sair de lá, estará com pêlo e pele limpinhos. “Trata-se de um desengordurante que, além de tirar a sujeira, resfresca o animal”, explica Fecchio.
Nem sequer no quesito comida a chinchila dá trabalho. Já existem rações balanceadas próprias para ela. “Se quiser, complemente com frutas, como maçã, pêra e uva passa”, sugere o veterinário Alexandre Pessoa, especializado em animais exóticos, em São Paulo. E, se você pensa que o roedor tem que ficar preso 24 horas por dia, engana-se. Na companhia do dono, ele pode passear livremente pela casa. Só precisa ser mantido longe de fios elétricos e objetos capazes de machucá-lo.

De onde vem a chinchila?
No passado este mamífero viveu em toda a região dos Andes, que abrange Argentina, Bolívia, Chile e Peru. Mas atualmente sua população se restringe a algumas colônias nos mais altos cumes andinos. De acordo com historiadores, o animal foi levado em 1923 para os Estados Unidos, onde se iniciou a criação em cativeiro. A chinchila é um roedor de hábitos noturnos, vive em grupos e gosta de escaladas. Infelizmente seu pêlo sedoso é cobiçado para a confecção de casacos. Uma chinchila vive até 20 anos de idade, pesa de 300 a 800 gramas e mede de 22 a 28 centímetros.

 

Fonte: Revista Saúde

Read Full Post »

O Grilo Perneta

Read Full Post »

A cebola ajuda a prevenir vários tipos de câncer e muito mais:

 

 

Muita gente não suporta o cheiro penetrante e o sabor inconfundível da cebola, principalmente quando ela se apresenta crua sobre o prato. Se esse é o seu caso, tomara que, depois de ler esta reportagem, você deixe de lado a mania de separar pedacinho por pedacinho do vegetal do restante da comida e experimente sem cara feia a mais acebolada das receitas. Afinal, em um mundo científico cada vez mais voltado para descobrir a relação dos alimentos com a prevenção de doenças, o vegetal ganha pontos.
“Entre quem come o equivalente a uma cebola durante a semana, a probabilidade de desenvolver um câncer qualquer chega a ser 14% menor”, revela em entrevista à SAÚDE! a pesquisadora Carlotta Galeone, que, com seus colegas do Instituto de Pesquisa Farmacológica Mario Negri, em Milão, na Itália, avaliou ficha médica por ficha médica de centenas de voluntários, divididos, é claro, em duas turmas — a dos avessos à cebola e a dos que encaravam comê-la crua.
Não foi por acaso que fizeram a comparação. Eles queriam avaliar os benefícios da hortaliça para a saúde, uma vez que a cozinha de seu país usa e abusa do ingrediente. Já existiam, é bem verdade, estudos ligando seu consumo à diminuição do risco de tumores de estômago, intestino e próstata. Os cientistas de Milão, porém, expandiram essa visão. Na sua amostragem, não só esses, mas todo tipo de tumor era mais comum no primeiro grupo — o dos sem-cebola.
Outra descoberta dos italianos: a proteção parece ser proporcional às porções ingeridas. Assim, duas cebolas semanais são suficientes para derrubar em 56% o perigo do câncer de laringe, em 43% o de ovários e em 25% o de rins. E aqueles que comem com gosto muitos anéis distribuídos pela salada do almoço e do jantar, em quantidade correspondente a uma cebola inteirinha por dia, estão ainda mais resguardados. “Aí, as chances de câncer colorretal são 56% menores e o de boca, 88%”, assegura Carlotta. E não foi só isso o que a ciência confirmou nos últimos tempos.
Sabe-se que a cebola dificulta a ação das bactérias, inclusive as causadoras da cárie e dos distúrbios gástricos, além de atuar contra fungos que provocam micoses, amenizar os sintomas da asma, combater inflamações e diminuir os riscos de trombose e aterosclerose. Um dos últimos trabalhos reafirmando essas qualidades é assinado pelo Ministério da Agricultura do governo da Austrália. Porcos com dieta rica em gorduras tiveram seus índices de triglicérides reduzidos em 15% quando a cebola foi incluída no cardápio.
O próximo passo, agora, é descobrir qual seria a melhor cebola para uma vida mais longa e saudável. Ora, são mais de 600 espécies! À primeira vista todas são parecidas do ponto de vista nutricional, reunindo numa só rodela cálcio, fósforo, magnésio, ferro, potássio, zinco, cobre, manganês, vitaminas do complexo B — principalmente B1 e B2 — e vitamina C. Na prevenção de doenças, o poder de fogo dos membros da vasta família Alliaceae pode variar — ou nem tanto.
Apesar de consumirmos menos cebolas do que os italianos, nós, brasileiros, estamos acostumados ao seu paladar. A cebolinha verde, por exemplo, muito usada como tempero, é tida como um broto de cebola, quando é mais uma variedade dela. Cebola ou cebolinha, o bulbo pode ir para a panela ou para a saladeira — “assim como as folhas de algumas variedades”, acrescenta Valter Rodrigues Oliveira, pesquisador do Centro Nacional de Pesquisas de Hortaliças da Embrapa, com sede em Brasília.
O médico Edson Credídio, que é diretor da Associação Brasileira de Nutrologia, recomenda consumir o vegetal cru, já que o calor do cozimento ou da fritura destrói seus compostos benéficos. A Embrapa está desenvolvendo uma variedade de cebola isenta de substâncias que provocam choro e mau hálito, mas é provável que a novidade não produza tantos bons efeitos. Então, encare o bafo, o ardor e as lágrimas com alegria. Tudo pode ser uma questão de treinar o paladar para sabores picantes.

Read Full Post »

Read Full Post »

Leia abaixo receitas para ajudar a amenizar as dores causadas por cólicas menstruais:

materias_colicamenstrualproblemamaioraparenta

Chá para combater cólicas menstruais:

Ingredientes:

2 colheres(sopa) de camomila
3 anises-estrelados
3 colheres (sopa) de melissa
6 xícaras de água fervendo

Modo de fazer:

Cubra as ervas com a água fervendo.
Quando esfriar, use 3 a 4 xícaras ao dia.

Suco para combater cólicas menstruais:

Ingredientes:

1/2 xícara de salsa
2 colheres de sopa de alecrim
1 tomate

Modo de fazer:

Bata no liquidificador com uma xícara quase cheia de água, coe e use antes do almoço.

ATENÇÃO: “As informações contidas neste texto são de cunho informativo, não substituindo, portanto, qualquer tratamento que o leitor esteja fazendo. Os vegetais e as frutas, porém, não são remédios. São alimentos energéticos e nutritivos, que oferecem ao organismo vitaminas e sais minerais para mantê-lo saudável. Nenhum livro, apostila ou indicação escrita substituem os serviços de um profissional de saúde. Qualquer aplicação das recomendações apresentadas neste texto será unicamente de responsabilidade do leitor. Se estiver sob supervisão de um profissional de saúde, por causa de qualquer doença, somente ele tem condições de aconselhá-lo, segundo sua formação e seus conhecimentos! As orientações acima não substituem as recomendações que lhe foram prescritas.”

Read Full Post »

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 4.464 outros seguidores